Exposição Temporária Vestígios Ancestrais – Arte Rupestre em Chapada dos Guimarães

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

A nova Exposição Temporária do Museu de História Natural de Mato Grosso, intitulada “Vestígios Ancestrais – Arte Rupestre em Chapada dos Guimarães”, reúne 20 fotografias, de autoria do fotógrafo Mario Friedlander, que ilustram a arte rupestre dos diversos sítios arqueológicos localizados no município de Chapada. A mostra estará aberta ao público de 12 de maio a 14 de agosto, de quarta a domingo, das 8h às 18h. Uma oportunidade para uma viagem fascinante pela história dos nossos ancestrais. 

O Estado de Mato Grosso possui 1.588 sítios arqueológicos, segundo o Instituto Histórico Artístico Nacional (Iphan, 2021). Destes, 105 estão localizados no município de Chapada dos Guimarães. Este número não representa a totalidade, pois acredita-se que ainda existem pontos a serem descobertos. Nos sítios arqueológicos, encontram-se vestígios da ocupação humana como, por exemplo, fragmentos de cerâmicas, instrumentos de pedras lascadas ou polidas e arte rupestre. 

A Exposição detalha a Lapa do Frei Kanuto, um paredão de 60 metros de comprimento, por três metros de altura, localizada na Ponta do Campestre, no limite entre os municípios de Chapada dos Guimarães e Cuiabá. Este é o sítio arqueológico com arte rupestre mais estudado da região e apresenta manifestações artísticas que contam a história de diversos povos. São painéis que evidenciam animais, humanos e símbolos através de pinturas, estilo primitivo; e gravações em baixo relevo, estilo moderno.

Conhecer para preservar. Foto: Vitória Ramirez Zanquetta.

A exposição temporária busca conscientizar a comunidade para a urgência de preservar os sítios arqueológicos para conhecimento das futuras gerações. Segundo Suzana Hirooka, arqueóloga e geóloga do Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (Ecoss), esses patrimônios históricos estão à mercê da sorte e da interferência de queimadas, caçadores, curiosos e turistas despreparados. “É importante dar visibilidade aos sítios arqueológicos e das suas potencialidades para, quem sabe, despertar as autoridades para a necessidade de se realizar projetos de conservação e preparação do espaço para receber o turismo de um modo harmonioso com o meio ambiente, respeitando a cultura local”, considera Hirooka.

“Vestígios Ancestrais – Arte Rupestre em Chapada dos Guimarães” é baseada no capítulo “Arqueologia e História” do livro “Geoparque Chapada dos Guimarães – Uma Viagem pelo Planeta”, que também está em exibição.

Além da nova Exposição Temporária, o visitante também poderá conhecer a Exposição Permanente que apresenta fósseis de mais de 2 bilhões de anos – animais marinhos, dinossauros, até os gigantes da Megafauna. Durante a visitação são abordados temas como a origem da vida na Terra, as populações originárias de Mato Grosso e a história da Casa Dom Aquino.

Serviço

O Museu de História Natural de Mato Grosso é um dos equipamentos culturais da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), em funcionamento sob gestão compartilhada com o Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (Ecoss). Ele está localizado na Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá (MT). Funcionamento de quarta a domingo, das 8h às 18h.

Entrada de quarta a sábado: R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia).

Domingos: gratuito.