Sustentabilidade

unnamed (1)

A conservação e a sustentabilidade ambiental têm sido algumas das prioridades do Museu de História Natural de Mato Grosso (MHNMT). O Museu, instalado na Casa Dom Aquino, patrimônio histórico de Mato Grosso, é presenteado por uma rica fauna e flora e se localiza às margens do Rio Cuiabá.


Sabendo da necessidade de preservar o ambiente, o MHNMT tem desenvolvido atitudes para se enquadrar dentro de parâmetros ecossustentáveis (redução do consumo de energia, água e da diminuição da produção de lixo). Além disso, realiza, frequentemente, atividades e ações que despertem na comunidade a conscientização da importância da preservação ativa dos recursos naturais. Dentre as iniciativas sustentáveis do Museu, destacam-se a bacia de evapotranspiração, cisterna para a captação de água da chuva, coleta seletiva e reaproveitamento de madeiras.

Bacia de Evapotranspiração

A Bacia de Evapotranspiração, conhecida popularmente como “fossa de bananeiras”, é um sistema fechado de tratamento de águas residuárias, aquelas oriunda da descarga de sanitários convencionais. Este sistema não gera nenhum efluente e evita a poluição do solo, das águas superficiais e do lençol freático. Nele os resíduos humanos sofrem a ação de bactérias, transformando a matéria orgânica em nutrientes, que são necessários para o crescimento das bananeiras e a água sai por evaporação, portanto completamente limpa.

Utilizar esse sistema com plantas para tratamento de esgoto é vantajoso, porque a eficiência no tratamento é alta, tem baixo custo e baixo consumo de energia. Além disso, a fossa de bananeira agrega uma harmonia paisagística (Fonte: Emater-MG).

Cisterna

Outra iniciativa adotada pelo Museu de História Natural de Mato Grosso é a cisterna para a coleta de água da chuva. O sistema funciona da seguinte maneira: a água passa pelas calhas e é levada a um filtro, que elimina os galhos, folhas e demais resíduos. Em seguida a água é conduzida para dentro do reservatório. Nos tempos de seca, o Museu utiliza essa água armazenada para a limpeza, e para regar os jardins. Essa gestão hídrica contribui para a redução do consumo de água potável. Além de que, contribui para a conservação e a autossuficiência de água do Museu.

Coleta Seletiva

A coleta seletiva, é mais uma ação do Museu para a preservação ambiental. Trata-se de um mecanismo para a recolha dos resíduos, os quais são classificados de acordo com suas características e depositados em contentores indicados por cores.

Os resíduos orgânicos (marrom) são separados dos materiais recicláveis como papel (azul), plástico (vermelho), metal (amarelo). Esse processo proporciona a diminuição da quantidade de lixo produzido, bem como o reaproveitamento de diversos materiais pela reciclagem, ajudando a preservar a natureza.

Reaproveitamento de Madeira

O Museu de História Natural de Mato Grosso foi contemplado com madeiras que foram apreendidas pelo Juizado Volante Ambiental (JUVAM), cedidas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA). A partir desse recurso foi construído um parquinho infantil, além de bancos e mesas que ficam na área verde. Foram fabricadas lixeiras seletivas ecológicas e comedouros para as aves – serve de atrativo às aves que sobrevoam e cercam o Museu. Essa atitude contribui para o percurso da sustentabilidade e garante maior conforto aos visitantes.

O Museu de História Natural de Mato Grosso é sensível às causas ambientais e entende que cuidar do ambiente é fundamental para o equilíbrio saudável de todos os seres vivos e para a manutenção da biodiversidade. Aqui, nós salvaguardamos um rico acervo arqueológico, etnológico e paleontológico, mas a isso é integrado às atividades de preservação do meio ambiente e de educação sustentável.